quarta-feira, 21 de maio de 2008

Livro da Confraria dos Bibliófilos será doado para bibliotecas de Santa Catarina no dia 27


A Confraria dos Bibliófilos do Brasil, associação nacional com sede em Brasília e que tem entre seus associados bibliófilos como José Mindlin, escolheu para sua publicação especial de final de ano uma seleção de contos de Harry Laus.

A edição de arte, em tiragem limitada, totalmente em tipografia artesanal, com papel especial e encadernação manual é distribuído apenas entre os associados da Confraria e teve ilustrações produzidas para o livro pelo artista plástico catarinense Jayro Schmidt especialmente convidado para o trabalho.

A Família Laus, como forma de tornar mais acessível a obra resolveu doar alguns de seus poucos exemplares para bibliotecas públicas de SC. Foram escolhidas, por conta de sua representatividade e ligações com o escritor, a Biblioteca da UFSC – Universidade Federal de SC, que preserva o acervo de Harry Laus no Núcleo de Literatura e Memória do Depto. de Língua e Literatura Vernáculas do Centro de Comunicação e Expressão da UFSC, trabalho iniciado pela professora Zahidé Lupinacci Muzart (e que estará presente no evento); a Biblioteca do Museu de Arte de Santa Catarina onde Laus foi diretor por vários anos; e a Biblioteca Pública do estado de Santa Catarina por sua grande visitação pública.

A solenidade acontecerá na Sala Harry Laus do Masc com a presença de seu diretor João Evangelista de Andrade Filho, no dia 27 de maio (mesmo dia e mês em que faleceu Harry Laus) a partir de 18 horas e 30 min, com a presença de todas as diretoras das bibliotecas: Narcisa de Fátima Amboni, da Biblioteca da UFSC, Élia Mara Magalhães Brites da Biblioteca Pública do estado e Heloísa Helena Caminha Bradacz da Biblioteca do Masc.

Estarão presentes ainda a presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Anita Pires, bem como farão uso da palavra a professora Luisa Cristina dos Santos Fontes, da Universidade de Ponta Grossa e editora da revista da UEPG, cuja dissertação de mestrado em Letras-Linguística, em 1997, foi sobre a obra de Harry Laus; a professora Taiza Mara Rauen Moraes, da Universidade de Joinville e diretora do Proler, cuja tese de doutorado em 2002, foi sobre os Diários de Laus (transformada em livro pela Editora Letradágua de Joinville); e o presidente da Academia Catarinense de Letras, Lauro Junkes, amigo de Laus e autor de vários textos e artigos sobre ele.

A Família Laus estará representada pelo professor Cesar Laus Simas, da Universidade do Vale do Itajaí, pelo professor Ricardo Laus Simas, do Colégio Atlântico de Itapema, a professora universitária e psicóloga Marilena Laus Bayer e Roberto Laus, economista e empresário da comunicação em Florianópolis, que serão responsáveis pela entrega dos exemplares do livro da Confraria.

Também estarão presentes prestigiando a cerimônia outras pesquisadoras que se debruçaram sobre a obra de Harry Laus produzindo trabalhos acadêmicos. São elas Maria Aparecida Borges Vieira (dissertação de mestrado em 2007), Maria Albertina Freitas de Melo (dissertação de mestrado em 2001), Maristela Della Rocca Medeiros (dissertação de mestrado em 1998). Todos os trabalhos tiveram como orientadora a professora Zahidé Lupinacci Muzart da UFSC, grande responsável pela preservação e divulgação da obra de Harry Laus e que também se fará presente.

Entre os amigos de Laus já confirmaram presença Teresa Collares, ex-diretora do Masc após sua saída em 1992, e Vinícius Alves da Editora Bernúncia, que publicou em livro algumas das obras de Laus.

Por um agradável coincidência a entrega do exemplar do livro da Confraria para a Biblioteca Pública do estado coincide com o aniversário da instituição que acontecerá quatro dias depois (154 anos de fundação).

E para fechar com chave de ouro o evento as ilustrações originais de Jayro Schmidt feitas para o livro estarão expostas no Masc cedidas para a data numa deferência especial da Confraria dos Bibliófilos do Brasil, cortesia de seu presidente José Salles Netto.

4 comentários:

Moacy Cirne disse...

Oi, gostei de descobrir este blogue em homenagem a Harry Laus. Não sabia que ele tinha morado em Natal. Decerto, tal fato aconteceu na época da 2ª Guerra Mundial, não? Um abraço. Voltarei, sempre.

Egeu Laus disse...

Caro Moacy,
Harry Laus morou em Natal, RN de março de 1947 até abril de 1948.
Ele foi servir no 16º Regimento de Infantaria onde foi promovido a segundo-tenente. Nessa função inspecionou os Tiros de Guerra de Mossoró, Macau e Areia Branca.
Foi transferido em seguida para o 9º Batalhão de Caçadores de Caxias de Sul, RS.
Um abraço.

Egeu Laus disse...

Alias, Moacy, foi pouco antes de sua partida de Natal que escreveu a "Ultima carta do Nordeste" publicada na revista Joaquim, editada em Curitiba por Dalton Trevisan.

Unknown disse...

Não sei se este blog ainda está ativado, mas gostaria apenas de registrar o fato de que fui honrada com a medalha Harry Laus, por ter ganho em primeiro lugar com a coletânea de contos "Cantos de Encontros e Desencantos" pela UBE-RJ, mas infelizmente, como não pude ir receber o prêmio, a medalha foi, segundo a Presidente entregue a outra pessoa, sem que ela soubesse, claro. Meu nome é EDILEUZA BEZERRA DE LIMA LONGO, sou de São Paulo e gostaria de saber se há uma forma de me enviarem uma cópia para que eu possa reproduzi-la. Obrigada.